Já é um utilizador registado?
Recuperar
password
Se ainda não o é
Cesto de compras
        O Cesto está vazio
Pesquisar
Início
Quem somos
Contactos
Ajuda
Links
Catálogo
à mão de semear
Ficção
Juvenil
outro olhar
Percursos
psi
Saúde e Bem-Estar
extra colecção
Autores
Bruce H. Lipton

Bruce H. Lipton, biólogo celular e conferencista, é reconhecido internacionalmente como um dos pioneiros na ligação entre ciência e espiritualidade. Recebeu o prestigiado Prémio Goi da Paz (Japão) em 2009, que distingue a sua contribuição científica para a harmonia mundial.
Catálogo

Título: Não Há Acasos
Título original: There Are No Accidents, Synchronicity and the Stories of our Lives
Autoria: Robert H. Hopcke
Colecção: outro olhar
Dimensões: 14 x 21 cm
Nº de páginas: 352
ISBN: 978-972-8541-07-1
Preço: 16,66 €
Preço online: 14,99 €


Sinopse

Todas as vidas são baseadas em histórias. Quando chega a casa do trabalho a primeira pergunta que lhe fazem é, "Como é que te correu o dia?". Por outras palavras, "Conta-me a história do teu dia, se faz favor." Encontra uma amiga para almoçar e ainda antes de pegar no guardanapo, ela pergunta, "Então, novidades?" Por outras palavras, "Conta-me uma história." Se tem crianças, raramente precisa de lhes pedir para contar histórias. Elas vivem as suas vidas num mundo cheio de histórias, e contam-lhas, quer você goste ou não, até ao mais ínfimo detalhe.


Dada esta evidência, perguntei-me o seguinte: "E se aquele sonho fosse realidade? E se eu for, de facto, uma personagem numa história?" Por um lado sei que o sou. Se perguntassem por mim aos meus pais teriam a confirmação definitiva de que eu sou realmente uma personagem de muitas histórias - só que as histórias são deles. De igual modo, se perguntassem aos meus amigos, aos meus pacientes, aos meus colegas - todos eles contariam histórias sobre mim.

Mas não é isso que eu quero dizer com a pergunta. E se eu - ou você - fosse uma personagem numa história? E se as vidas que vivemos fossem, de facto, um exercício de ficção? Como é que poderíamos saber? Partindo do princípio de que a história é coerente e de que as personagens e as suas vidas fazem sentido, como é que uma personagem poderia saber que fazia parte de uma história? Obviamente, só alguma coisa exterior à história, alguma coisa introduzida do lado de fora, poderia chamar a atenção da personagem para a situação que estava a viver. E, no entanto, qualquer que fosse essa extraordinária ocorrência, teria ela própria que ser parte da história; teria que fazer sentido, ter um determinado significado relativamente às personagens, ao enredo, ao princípio, ao meio e ao fim da história. Certo?

Links relacionados

Robert Hopcke

Notas biográficas
  • Robert H. Hopcke
  • Política de Privacidade e Segurança | Contactos | Ajuda copyright © 2006-2017 Sinais de fogo made by: BuzzID